Mulher Maravilha é a ousadia da DC em forma de filme

Comentarios


Eu começo com um pergunta, qual foi o ultimo filme da DC que realmente vc assistiu e no final saiu feliz? Sem reclamar ou mesmo não correr para as redes sociais e proclamar todo o seu ódio para esta empresa que adora estragar os filmes dos super heróis que tanto? Que eu me lembre foi… "Batman- O Cavaleiro das Trevas", o segundo filme da trilogia “The Dark Knight”, mas ele perdeu o posto e pasmém, foi para o novo e incrível filme Mulher Maravilha

Ao contrario dos filmes passados ("O Homem de Aço", "Batman Vs Superman" e talvez o mais importante para esta lista o "Esquadrão Suicida") que foram até bem comercialmente, porém ridicularizados pela crítica universal, a Warner Bros. parece ter se mexido e procurado desesperadamente uma maneira de que a balança crítica e rentabilidade fossem ao menos iguais. Bem, os pedidos dos fãs foram atendidos, temos um filme bom, com uma ótima direção, efeitos bem dosados, roteiro bem acima dos padrões, sem momentos “broxantes” (Martha?) e o melhor, é que é um filme da DC e acho que esse não vai ter uma versão da diretora. Saí do cinema com vontade de falar bem, e é com esta leveza na alma que eu digo: "Sim, Mulher Maravilha é um filme tão bom quanto, qualquer filme da Marvel"… Exceto é claro por Guardiões da Galáxia. (prevejo desaprovações futuras :p).

Sendo uma das principais heroínas da DC e compondo como uma importante membro da Liga da Justiça, a "Mulher Maravilha" ou somente princesa Diana já ganhou atenção e destaque quando roubou todas as cenas em "Batman Vs Superman: Amanhecer da Justiça", deixando o looooooonga um pouco mais aturável. Sua introdução espero que não acidental no filme em questão foi a melhor maneira de integrar e  nos dizer que essa mulher incrivelmente poderosa! Se em "Batman Vs Superman" vc achou que ela foi incrível, “mano do céu” você tem que ver este filme! 



Gal Gadot como princesa Diana é um dos melhores exemplos para se colocar na frase: “...mostrou para que veio”

É claro que não é somente a boa direção de Patty Jenkins que merece os louros dessa “maravilha”, Connie Nielsen e Robin Wright estão acima de qualquer trabalho antes já feito, ouso falar que esta última está melhor como a general Antiope do que como Claire Underwood (House of Cards). E o Crhis Pine, se saiu bem? Claro! Afirmo que sem ele o filme não seria nem de longe engraçado ele é realmente o apoio entre o modelo antigo de filmes com a pegada dark bem comum da DC e o novo formato que a mesma parece estar adotando. Seu personagem o militar Steve Trevor a princípio é complexo e virtuosamente simpático, em outras palavras ele é fenomenal para este papel. Crhis Pine nos mostra um personagem muito além do que vimos na nova safra de filme da trilogia Star Trek.



Então, essa é a parte que falamos de Gal Gadot a linda atriz israelense se mostra tão vontade como Diana, posso até confirmar que é em Mulher Maravilha que vemos umas das melhores performances da qual poderíamos esperar, o papel lhe caiu como um luva é quase como comprara-la a Hugh Jackman como LoganRobert Downey Jr. como Homem de Ferro ela é  perfeita!

Mesmo pequena, sua participação na luta contra o vilão Domsday ao lado de Batman e Super-Homem Diana teve bastante destaque ao ponto de render ao publico uma expectativa para ver seu filme solo. Seja de exímia ladrã até a amazona cheia das habilidades acrobáticas, Gadot surpreende  mesmo é nas incríveis cenas de luta, revelando um nível de habilidade muito superior ao que vimos na personagem vivida por Margot Robie (que comparação nada a ver!). A promessa é que Gal Gadot fique neste papel por muitos e muitos filmes, e o que vimos em Mulher Maravilha não nos dá nenhum dúvida de que isso realmente venha acontecer.

O filme é ambientado em um período muito antes dos outros filmes, antes mesmo até da chegada deu inocente Kal-El na terra, Mulher Maravilha não segue uma linearidade e nem se preocupa com isso, o filme é livre para estar em qualquer pedaço de tempo e o “pedaço” que foi escolhido não poderia ter sido melhor para contar esta história, a diretora Patty Jenkins criou uma história atraente, incrível, inteligente e bem construída, com apenas três atos a história de origem da Princesa Diana é contada de forma maestral. Em forma de aventura bem típica dos filmes dos anos 80, fica claro que Patty foi buscar inspiração nas icônicas histórias de Steven Spielberg quando ele ainda fazia um  Indiana Jones bom. Essa inspiração acredito ser um enorme acerto, pois deixa o filme com a classificação mais leve e familiar, deixando todos da família bem felizes. Por várias vezes esquecemos que estamos vendo só mais um filme de herói, vai por mim... Isso é muito bom!


Mulher Maravilha é um longa despretensioso e independente, não fazendo menção ou aquelas referências que adoramos encontrar nos filmes, ele é um filme solo (como todos os filmes solo deveriam ser) e não uma grande ponte para uma história maior que está por vir, sim, estou falando de Liga da Justiça. 

O longa é divertido e muito mais agradável do que outro filme do Universo Extendido da DC (DCEU), Patty Jenkins provou que sim!  dá pra ser feito um filme engraçado neste universo, óbvio que as pinceladas de Marvel aconteceram, mas foi apenas uma inspiração, pois Mulher Maravilha tem seu próprio senso de humor, deixando-o até bem original, o filme é o verdadeiro ponto de equilíbrio que a DC achou para não ser dark ao extremos como em "Batman Vs Superman" e nem tão clipe do Psy como foi o Esquadrão Suicida.

#Compartilhar: Facebook Twitter Google+ WhatsApp Linkedin Technorati Digg