Estreias da Semana 12/01

Comentarios


Olá, Gnominhos!

Lá vamos nós para a segunda semana do ano. Relembrando, para quem não leu o post da semana passada, nós damos apenas as nossas expectativas pelos filmes que estrearão na semana, logo NÃO É NOSSA CRÍTICA FINAL. Se você espera tanto um filme, como eu espero o Assassins Creed ❤️, vá conferir no cinema.

Vamos lá, mas lembrem-se: "Nada é verdade, tudo é permitido".





A Criada (Mares Filmes)

Sinopse:

Coreia do Sul, anos 1930. Durante a ocupação japonesa, a jovem Sookee (Kim Tae-ri) é contratada para trabalhar para uma herdeira nipônica, Hideko (Kim Min-Hee), que leva uma vida isolada ao lado do tio autoritário. Só que Sookee guarda um segredo: ela e um vigarista planejam desposar a herdeira, roubar sua fortuna e trancafiá-la em um sanatório. Tudo corre bem com o plano, até que Sookee aos poucos começa a compreender as motivações de Hideko.

O que a gente acha?

Quem dirige é Park Chan-Wook, que dirigiu o clássico cult Old Boy e o ótimo Segredos de Sangue com a linda e injustiçada Mia Wasikowska, Mia é uma ótima atriz, mas é uma tanto pé frio para blockbusters (exceto em Alice no País das Maravilhas), mas enfim, isso é assunto para outro momento.

E então vamos falar sobre o trailer... Mano... Que trailer maravilhoso, se esse filme me convenceu de assistir, foi pelo trailer, que por sorte, não revela muito da trama, mas vende muito bem o clima de suspense que o filme deve ter. É uma aula pra Hollywood de como vender um filme em apenas 1 minuto.

Voltando ao filme, é interessante que o elenco do filme é coreano, mas todos tiveram aula de japonês e a atriz Min-hee Kim, que faz a protagonista, foi aplaudida em Cannes por ter se garantido na língua.



Assassin's Creed (Fox Film do Brasil)

Sinopse:

Callum Lynch (Michael Fassbender) descobre que é descendente de um membro da Ordem dos Assassinos e, via memória genética, revive as aventuras do guerreiro Aguilar, seu ancestral espanhol do século XV. Dotado de novos conhecimentos e incríveis habilidades, ele volta aos dias de hoje pronto para enfrentar os Templários. Versão para as telonas do game Assassin's Creed.

O que a gente acha?

Finalmente essa franquia maravilhosa chega ao cinema. Poxa, Ubisoft, demorou!

Dirigido por Justin Kurzel e estrelado por Michael Fassbender e Marion Cottilard, curiosamente o mesmo trio que trabalhou em Macbeth, que até tem temáticas um pouco parecidas. De elenco é aquela beleza: Fassbender, nosso querido Magneto e Cottilard, que se revelou uma ótima atriz, só não sabe morrer (assistiu Cavaleiro das Trevas Ressurge, né? Pois é...).

Quando foi anunciada a parceria com a Fox para produzir o filme, a galera ficou já meio nervosa, existia o perigo da Fox estragar a franquia, como fez com em X-Men, sem falar que o histórico de adaptações hollywoodianas de games é bem flopada, pra não dizer mixuruca. Mas a Ubisoft logo tratou de esclarecer que ela estaria responsável pelo roteiro e por toda produção. O que parece que nem isso deu a verdadeira guinada que o filme precisava, as bilheterias do filme estão um verdadeiro salto de fé de encontro mal executado.


E o fato da Ubisoft cuidar de toda a produção de perto deixou os fãs mais tranquilos, afinal a Ubisoft sempre caprichou na franquia nos vídeo-games, mesmo quando não fazia um jogo memorável, fazia um jogo ok, mas nunca abaixo da média.

A empresa embarcou nesse mercado para tentar provar que é possível fazer um bom filme de game. Conseguiu? Não sei. E mesmo com o balde de água fria da crítica americana, com certeza irei ao cinema torcer que ao mínimo seja um filme ok.

Ubisoft, esperamos por todo esse tempo, então nos entregue algo bom!






Eu Fico Loko (Downtown Filmes)

Sinopse:

Christian (Filipe Bragança) é um adolescente pouco popular na escola, que também não tem vida fácil em casa. Enquanto sofre bullying dos colegas e busca a sua própria identidade, ele se preocupa com o primeiro beijo, a primeira noite com uma garota... Christian também é um cinéfilo que grava paródias de filmes para colocar na Internet. Aos poucos, ele decide usar as redes sociais para contar as suas histórias de vida.

O que a gente acha?

Leu a sinopse? E então ainda é preciso dizer algo? Uma biografia sobre um jovem youtuber? Pode me chamar de quadrado, mas eu acho que eu não preciso disso. É uma pena o dinheiro sendo gasto para produzir isso, enquanto tem um monte de projeto bacana que nunca saiu do papel.

O cinema brasileiro, que já carece de investimento pra fazer algo realmente bom, não merece isso! Vide a Netflix que teve coragem de apostar fortuna em uma produção brasileira mais ousada.

#Compartilhar: Facebook Twitter Google+ WhatsApp Linkedin Technorati Digg